Topics

A Soberania Ideológica em um Mundo Multipolar

29.07.2021

No mundo moderno, um modelo multipolar está claramente tomando forma – quase tomando forma. Ele substituiu a unipolaridade que foi estabelecida após o colapso do Pacto de Varsóvia e especialmente da URSS. O mundo unipolar, por sua vez, substituiu o bipolar, no qual o campo soviético se opunha geopoliticamente e ideologicamente ao Ocidente capitalista. Estas transições entre os diferentes tipos de ordem mundial não aconteceram da noite para o dia. Alguns aspectos mudaram, mas outros permaneceram os mesmos por inércia.

O paradigma da política russa: Realismo contra Liberalismo

24.07.2021

Primeiro, vamos analisar a cartografia primária do espaço político russo. Para uma ciência política correta, o mapeamento semântico tem que estar acima de tudo. Todos os processos se dando na política russa, em geral, são vistas de forma muito aproximada. Os detalhes se diferem em contraste, mas a imagem do todo está completamente borrada. Eleições, indicações, casos criminais, escândalos de corrupção, o confronto entre grupos de poder, ataques e contra-ataques da oposição liberal ofuscam a imagem do todo com seu ritmo.

A Nova Estratégia de Segurança Nacional da Rússia

23.07.2021

Nesse mês o governo russo atualizou a sua estratégia de segurança nacional, emitindo um documento estratégico oficial que substituiu um documento anterior lançado em 2015. O novo documento é mais incisivo e específico, contendo provisões para o fortalecimento da soberania, indicando as principais ameaças atuais à Rússia, apontando para a crise da unipolaridade e comentando a inevitável e atual ascensão de novos e múltiplos polos de poder no mundo.

O que Aleksandr Dugin, o “Filósofo Mais Perigoso do Mundo”, realmente pensa do Ocidente?

22.07.2021

Na minha opinião, a América não é um ethnos. A América não é um povo. A América não é uma nação. Desde o início, foi uma espécie de sociedade civil baseada na identidade individualista. Tudo foi criado em torno desta norma individualista. É a base da Constituição, da Revolução Americana; não foi uma continuação da história europeia feita pelo ethnos, pelos povos, pelas religiões, pelas nações. Foi algo criado a partir do ponto zero. Uma espécie de sociedade do futuro criada artificialmente, baseada em um princípio que excluía qualquer tipo de identidade coletiva. Mas, como os americanos eram e ainda são humanos, não se podia perceber isto [visão pós-humana] totalmente. Vocês ainda tinham alguns laços com o Outro. Portanto, vocês tinham um simulacro de comunidade, de identidade nacional. Mas o elemento individualista na própria fundação da sociedade americana foi a força que erodiu mais e mais estes princípios, até seu ponto mais extremo hoje. Penso que amanhã falar sobre alguma identidade americana comum será considerado como um discurso de ódio! Já é um crime contra o politicamente correto.

Geopolítica da Perestroika e o Colapso da URSS

01.07.2021

Até 1985, a atitude da URSS em relação à conexão com o Ocidente era geralmente bastante cética. Somente no período de regra de Yuri Andropov mudou um pouco a situação e, de acordo com suas instruções, um grupo de cientistas soviéticos e institutos acadêmicos foi encarregado de cooperar ativamente com as estruturas globalistas (o Clube de Roma, o CFR, a Comissão Trilateral, etc.). Em geral, os principais objetivos de política externa da URSS permaneceram inalterados durante todo o trecho desde Stálin até Chernenko.

Geopolítica regional: A Rússia e a Comunidade dos Estados Independentes

01.07.2021

Um dos objetivos geopolíticos da Federação Russa, da ordem geopolítica pós guerra-fria, que ao mesmo tempo que desenvolve um mundo unipolar à beira de uma desintegração deste estilo, por imperar uma tendência de crescimento da regionalização de fenômenos econômicos e políticos. Para a Rússia, assim como qualquer outro país é mister ter relações estratégicas com os países que lhe são vizinhos, seja para acordos multilaterais, defesas, comércio exterior, segurança, diplomacia e cooperação em problemas regionais que são comuns aos mesmos países.

O Império como Forma Mais Completa de Organização Político-Social

30.06.2021

A editora Letras Inquietas acaba de publicar Imperium, Eurasia, Hispanidad y Tradición, uma obra coletiva com a participação de Carlos X. Blanco, Eduard Alcántara e Robert Steuckers. Os ensaios que compõem o livro buscam na Tradição, na História e no presente, aqueles elementos conceituais necessários para uma Teoria do Império que rejeita o atual modelo absorvente, predatório e “imperialista”. Nesta ocasião, EL CORREO DE ESPAÑA conversa com Eduard Alcántara, filósofo e especialista em pensamento tradicionalista.

Takashi Miike: Anatomia do Japão Moderno

30.06.2021

O Arquétipo Mishima na cultura japonesa do pós-guerra foi o mais alto exemplo da dialética sutil, na qual a peculiar combinação do liberalismo modernista embutido com uma série de aspectos matriarcais do xintoísmo se tornou nitidamente aparente. Assim, foi construída uma nova cultura japonesa, na qual tudo o que era propriamente japonês, relacionado à autêntica identidade japonesa, foi proibido, pervertido ou substituído. Esta cultura, que deu gerou brilhantes nomes na literatura, cinema, música, etc., foi baseada na rápida degradação do espírito tradicional japonês, na profunda desintegração do Logos celestial, dissipando-se entropicamente em partículas infinitamente pequenas. Era uma cultura em decadência, que fascinou o Ocidente em grande parte por seu exotismo, rapidez e originalidade. Os intelectuais japoneses do pós-guerra, que decidiram "esperar um pouco mais...", tornaram tudo isso ainda mais doloroso e perverso.

A Batalha pelo Cosmos na Filosofia Eurasianista

29.06.2021

Os eurasianistas nunca foram materialistas. Neste ponto, eles se encontravam em oposição às principais tendências da ciência moderna. Ao mesmo tempo, porém, para eles era importante não simplesmente afirmar a prioridade dos elementos e princípios eternos - daí a principal tese eurasianista sobre a ideocracia, a ideologia governante, o governo das ideas - mas insistir que o mundo inteiro e toda a realidade, da política à economia e da religião à ciência, fossem permeados de ideias. Petr Savitsky insistiu no conceito de "desenvolvimento de espaço" ou "topogênese" (mestorazvitie). "Desenvolvimento de espaço" é a conjunção do espaço físico com a continuidade de significados históricos, semântica e eventos. O território está inextricavelmente ligado à história, e a história, por sua vez, é uma continuidade de ideias revelando uma única imagem da eternidade monumental que se desdobra através da humanidade e sobre seu caminho espiritual através do tempo.